11 de dezembro de 2018
Redação Alternativa

Precificacao-de-produtos-preco-de-venda---Alternativa-Sistemas

Definir o preço de venda de um produto ou serviço maneira correta é muito importante para que a sua empresa possa crescer de forma saudável. Embora nem todo mundo goste de fazer contas, é importante que o lojista aprenda o passo a passo da montagem do preço de venda para evitar problemas futuros no caixa.

Em resumo, existem 3 maneiras de realizar este cálculo, mas em todas as abordagens é necessário ter em mãos as seguintes informações acerca do produto/serviço a ser vendido:

custo-despesas-margem-de-lucro---Alternativa-Sistemas

A partir dessas informações a sua empresa pode adotar qualquer um dos métodos de cálculo de preço de venda de acordo com as suas necessidades de campanha ou tipo de gestão estratégica adotada; as formas de cálculo são: 1) Custeio RKW (Reichskuratoriun fur Wirtschaftlichtkeit – nome de um antigo conselho governamental alemão para assuntos econômicos) ou Custeio Pleno ; 2) Custeio ABC (Activity Based Costing) ou Custeio Baseado em Atividades;  3) Cálculo a partir do Markup.

1) Custeio RKW ou Custeio Pleno

É um método pouco utilizado atualmente, devido à evolução do processo empresarial, mas ainda funciona relativamente bem dentro do ambiente industrial mais conservador.  Em resumo, neste método a empresa deve ser compreendida a partir de centros de custos, sendo que esses centros de custos podem ser diretos – quando são relacionados com os produtos – ou indiretos – quando não tem relação com o produto e sim com a cadeia de produção.

Os procedimentos para adotar o RKW são:

  1. i) Separar os custos em itens;
  2. ii) Dividir a empresa em “centros de custos”;

iii) Identificar os custos de acordo com os centros de custos – distribuição primária;

  1. iv) Redistribuir os custos dos centros indiretos aos diretos – distribuição secundária;
  2. v) Identificar os custos dos centros diretos com os produtos – distribuição final.

Pode-se observar que neste método é preciso conhecer bem a realidade da empresa assim como seu organograma, para que os centros de custos possam ser definidos a partir dos tipos de custos elencados e para que a identificação do preço final esteja de acordo com as necessidades da empresa.

2) Custeio ABC ou Custeio Baseado em Atividades

O método ABC proporciona a análise contábil a partir das diferentes atividades adotadas pela empresa. De maneira simples, o sistema ABC leva em consideração a seguinte lógica de funcionamento empresarial: as atividades consomem recursos e, com isso, geram custos; os produtos utilizam essas atividades e absorvem esses custos, daí a necessidade de detalhar bem esses custos de acordo com a realidade de cada empresa.

Neste método, os custos também podem ser diretos ou indiretos, ou seja, tem ou não envolvimento direto com o produto. Os procedimentos para adotar o método ABC são:

  1. i) Realizar a análise de processos da empresa;
  2. ii) Mapear as atividades que ocorrem nesses processos;

iii) Alocar os custos de acordo com as atividades;

  1. iv) Redistribuir os custos das atividades indiretas para as diretas;
  2. v) Alocar os custos das atividades aos produtos/serviços.

Assim como RKW, o método ABC demonstra a necessidade de se conhecer bem a realidade da empresa, mas se aprofunda no levantamento das variáveis envolvidas na produção. Esse sistema foi desenvolvido a partir das necessidades surgidas no ambiente industrial automatizado, em que os custos cada vez menos passaram a ser diretos.

O interessante do custeio ABC é que é possível aumentar o nível de detalhamento dos custos, já que ele permite identificar quais produtos absorvem mais custos dentro do processo de produção. O objetivo final deste método é a melhoria da competitividade da empresa, já que conhecidos os custos é possível buscar formas de reduzir esses custos, reduzindo assim o preço dos produtos ou a margem de lucro.

3) Cálculo a partir do Markup

O Markup é um índice multiplicador aplicado sobre o custo de um produto/serviço na formação do preço de venda e que leva em consideração o “preço margem”, ou seja, o valor do custo unitário do produto/serviço e a margem de lucro desejada.

A formação de preço a partir do markup é muito utilizada na realidade atual das empresas, devido a sua flexibilidade e praticidade, já que é possível adotar mais de um markup por produto a depender do lucro a ser estimado. Usualmente esse método é adotado em empresas já possuem um histórico de vendas para apurar os valores das variáveis utilizadas no cálculo. Mas se a sua empresa está começando pode adotar o índice praticado pelo mercado segundo o segmento de atuação.

Os procedimentos para calcular o markup são:

  1. i) Identificar o percentual de despesas variáveis – que acontecem junto com as vendas, como comissão do vendedor ou marketplace, impostos sobre vendas etc – de cada produto/serviço;
  2. ii) identificar o percentual de despesas fixas – que sempre se repetem dentro da cadeia processual, como gastos financeiros, administrativos de cada produto/serviço;

iii) Definir o percentual de lucro pretendido em cada produto/serviço.

A partir deste passo a passo, adota-se a seguinte fórmula:

Definido o markup é só multiplicar o seu valor pelo custo de produção ou custo do produto/serviço. Parece complicado, mas a adoção desse sistema fica mais compreensível a partir de um exemplo prático:

Como se pode notar, o markup pode variar de acordo com cada produto, mas seu método de cálculo é bem simples e nunca varia. Uma das grandes vantagens de adotar este índice na formação do preço de venda é a possibilidade de realizar campanhas e estratégias de venda de maneira consciente e com o risco calculado.

 

Independentemente do método adotado pela sua empresa, é preciso ter em mente que a formação do preço de venda vai refletir diretamente nas contas de seu negócio, por isso é preciso calcular essa etapa com seriedade e sinceridade, pois isso pode garantir que a sua empresa tenha ou não um faturamento positivo.