2 de Março de 2018
Redação Alternativa

Correios aumenta o valor do frete no Brasil - Alternativa Sistemas

Os Correios anunciaram nesta terça-feira (27) que a partir do dia 6 de março vão começar a aplicar uma nova tabela de preços para a cobrança de seus serviços, o que implicará no aumento médio de 8% nos valores do frete para objetos postados entre capitais e nos âmbitos local e estadual. O Mercado Livre aponta, porém, que o aumento “pode chegar a até 51% para compras e vendas realizadas pela internet”.

De acordo com a nota emitida pela estatal, os aumentos são necessários e baseados “no aumento dos custos relacionados à prestação dos serviços, que considera gastos com transporte, pagamento de pessoal, aluguéis de imóveis, combustível, contratação de recursos para segurança, entre outros”.

Frente a notícia do reajuste acima da média de mercado, grandes marketplaces como o Mercado Livre e a Netshoes lançaram uma campanha contra o aumento através da mobilização dos seus clientes e que alcançou os trending topics do Twitter. Com a hashtag #FreteAbusivoNão as empresas estão compartilhando seu posicionamento e indignação pela internet e pedindo aos clientes e parceiros para fazerem o mesmo.

“o impacto maior será para o consumidor em todos os aspectos.”

Graciela Kumruiam – Netshoes

Segundo o site da Netshoes, “o reajuste vai na contramão da recuperação da economia e do desenvolvimento do comércio eletrônico do país, impactando de forma direta o bolso dos consumidores”. Ao mesmo tempo o Mercado Livre questiona: “mas se a inflação do último ano foi em torno de 3%, como pode o aumento da taxa de entrega chegar a ser até dezessete vezes maior?”

Conforme a nota dos Correios, “a média será de apenas 8% para os objetos postados entre capitais e nos âmbitos local e estadual, que representam a grande maioria das postagens realizadas nos Correios. A estatal disse ainda que “cabe ressaltar que o reajuste não é para o e-commerce, mas para os serviços de encomendas dos Correios, também utilizados pelo e-commerce. Trata-se de uma revisão anual, a exemplo do previsto em contrato”.

A principal preocupação dos lojistas é que o aumento impacte negativamente o mercado, tendo em vista que as entregas das compras online poderão sofrer com o preço. Em entrevista para o site E-commerce Brasil, Graciela Kumruiam, COO da Netshoes, explica que “o impacto maior será para o consumidor em todos os aspectos. Pelo lado financeiro, […] a Netshoes estima que em média haverá um aumento de 30% no valor geral do frete e que será inevitavelmente repassado ao cliente para a sustentabilidade do negócio. Já operacionalmente, trata-se de uma medida antidemocrática, pois o consumidor que mora no interior ou nas localidades mais distantes, enxerga no e-commerce a possibilidade de ter acesso aos mesmos produtos já disponíveis nas capitais. E essas localidades foram as que sofreram maior reajuste e muitas delas são atendidas somente pelos Correios, ou seja, sem concorrência”

Embora os Correios ainda não tenha libera o acesso à nova tabela, você pode conferir exemplos do novo cálculo no site do Mercado Livre:

https://ideias.mercadolivre.com.br/insights/freteabusivonao/